Colar de pérolas do tipo South Sea, com design da Cartier que pertenceu a Duquesa de Windsor
Crédito: Christie’s Auction House

 

Pérola: A Gema da Elegância

  1. Nomenclatura: nome, origem histórica e popularização ao longo dos séculos

O termo “pérola” é derivado da palavra latina “margarita”, que se traduz como “aquilo que é precioso ou excelente”. As pérolas são gemas biogênicas de origem orgânica produzidas por determinados tipos de moluscos marinhos e de água doce. Reverenciadas como a gema mais antiga do mundo, as pérolas têm sido usadas como adornos desde pelo menos 2.300 a.C. na China e eram um símbolo de status na Roma e na Grécia antiga. Elas têm sido valorizadas como joias desde tempos antigos, simbolizando riqueza e status em diversas culturas. A popularização das pérolas ocorreu ao longo dos séculos, com sua presença em joalheria e ornamentação, e elas foram consideradas uma das joias mais caras do mundo devido à sua raridade, à sua beleza e luminescência naturais.

 

  1. Formação e principais características

As pérolas naturais são muito raras e formam-se na natureza sem intervenção humana e são compostas quase inteiramente de carbonato de cálcio (Nácar) na forma de Aragonita e conchiolina. As pérolas são, na verdade, um mecanismo de defesa de certos moluscos específicos (ostras e mexilhões) contra algum corpo estranho que possa ter se instalado na sua parte interna como pequenos vermes ou grãos de areia. Como os moluscos não conseguem expelir o material intruso, para se protegerem do corpo estranho, eles depositam várias camadas concêntricas de nácar, formando assim a pérola.


Processo de formação de pérola nos bivalves.
Crédito: https://gia.org.br/portal/elementor-5212/

Já as pérolas cultivadas, por outro lado, são criadas artificialmente através da intervenção do homem em grandes fazendas contendo milhares de ostras, por meio da inserção de corpos estranhos em moluscos perlíferos. Ela pode ser nucleada em formato esférico ou nucleados em tecido orgânico e são produzidos em moluscos específicos tanto de água salgada como de água doce.

Perolas do tipo South Sea produzidas em uma fazenda de pérolas na Indonésia
Crédito: http://www.rockinthatgem.com/2016/05/pearl-farm-visit-journey-of-south-sea.html

As pérolas naturais são mais raras, especialmente as esféricas, e são altamente valorizadas por suas formas e cores únicas. As pérolas cultivadas oferecem colheitas maiores e são um produto gemológico normal, por vezes extraordinário. As pérolas cultivadas são consideradas reais e podem ser de qualidade igual ou até superior às pérolas naturais devido aos avanços na tecnologia de cultivo

Pérolas de água doce
Crédito: https://www.pearl-guide.com/threads/freshwater-pearl-classifications-in-china.461864/

Existem diferentes tipos de pérolas que variam em tamanho, forma e cor. Para citar alguns tipos existem: a Akoya, South Sea (Pérolas dos Mares do Sul), Taiti, Keshi, Pérolas de água doce, Mabe, Biwa, entre outras. As cores das pérolas cultivadas são extremamente variadas. Podem ser de brancas a creme, de um rosa delicado a tons exóticos de preto com sobretons azulados (rabo de pavão) e até marrom, dependem do tipo de água e do molusco em que estão alojadas. As pérolas cultivadas mais valiosas hoje são as South Sea.

Tipos e cores básicas das pérolas naturais cultivadas
Crédito: https://gia.org.br/portal/elementor-5212/

Tipos de Pérolas de água salgada
Crédito:
https://www.lilmilan.com/blogs/lil-milan-jewelry-blog/freshwater-vs-saltwater-pearls-the-comprehensive-guide

 

3. Cultivo de pérolas

O cultivo de pérolas é um processo longo e delicado que pode levar até cinco anos. As fazendas de perolas desenvolvem todo o processo iniciando-se nos berçários de ostras onde todo o seu crescimento é acompanhado até a sua maturidade para poderem produzir pérolas. Os moluscos maduros são nucleados com tipos diferentes de materiais, geralmente provenientes da concha ou partes dos moluscos da mesma espécie que podem ser núcleos a partir da concha ou outros tecidos do molusco.  Essa nucleação se faz inserindo um ou vários núcleos de material no tecido mole da ostra que irá iniciar um processo de deposição do nácar. A partir da nucleação vários parâmetros serão monitorados cuidadosamente nos moluscos e ambiente das fazendas para garantir uma produção saudável das pérolas. 

As primeiras produções de pérolas cultivadas começaram no final do século XIX no Japão, com Kokichi Mikimoto sendo um pioneiro na área. As técnicas evoluíram bastante ao longo do século XX e ampliou-se a produção em várias regiões do mundo dependendo das espécies nativas de moluscos perlíferos que elas naturalmente já possuíam. Hoje, a China é a maior produtora de pérolas de água doce por exemplo. 

A qualidade das pérolas pode ser afetada pela temperatura e salinidade da água, com águas mais quentes reduzindo potencialmente a qualidade, visto que a temperatura da água é fundamental para o desenvolvimento das ostras em grande escala.

Fazenda de pérolas no Japão
Crédito: https://www.mikura.com/akoyapearls

 

  1. Centros produtores

Contando com a variedade de espécies de moluscos perlíferos cujas características podem produzir perolas de diferentes tamanhos e cores, a indústria de cultivo se expandiu por várias regiões do mundo para poder obter as melhores vantagens na sua produção. 

As pérolas são encontradas em águas costeiras rasas ao redor do mundo, com centros produtores notáveis no Golfo Pérsico, Índia, Sri Lanka, Austrália, Taiti, América Central e Japão. As pérolas Akoya são cultivadas predominantemente no Japão.

Já a Pérola do Taiti, é cultivada exclusivamente nas lagoas polinésias do arquipélago do Taiti. As pérolas South Sea e as Pérolas do Taiti são consideradas as mais valiosas devido ao seu tamanho, cor e brilho.

Tipos de Pérolas do Taiti
Crédito: https://www.pearlsofjoy.com/blogs/blog/tahitian-pearls-3-things-you-must-know

 

Fazendas de pérolas de água doce na China
Crédito: The Current Status of Chinese Freshwater Cultured Pearls, Shigeru Akamatsu, Li Tajima Zansheng, Thomas M. Moses, and Kenneth Scarratt – Gems and Gemology, Summer 2001.

 

Classificação de pérolas
Crédito: https://edition.cnn.com/style/article/tasaki-japan-akoya-pearls/index.html

 

  1. Possíveis tratamentos em pérolas para realçar ou modificar cor e brilho

As pérolas são frequentemente tratadas para realçar as suas qualidades estéticas, como cor e brilho, ou para esconder imperfeições. Esses tratamentos podem incluir polimento com materiais naturais, branqueamento com água oxigenada, tratamento térmico para aumentar o brilho e tingimento ou coloração para obter cores específicas. 

O clareamento é o tratamento mais comum, e é empregado para clarear a cor das pérolas e criar um aspecto branco uniforme. O tingimento e a irradiação também são processos utilizados, alterando a tonalidade das pérolas para produzir uma gama de cores, incluindo rosa claro, azul, dourado e até transformando pérolas em “pérolas negras” utilizando nitrato de prata. As pérolas também podem ser revestidas com diversas substâncias para realçar seu brilho ou cor, como laca, plástico, silicone ou uma combinação de epóxi e escamas de peixe moídas.

 

  1. Imitações de Pérolas no Mercado e Testes Gemológicos para Identificação

Imitação de pérolas são materiais que imitam a aparência de pérolas naturais ou cultivadas. Estes incluem madrepérola, pérolas de baixa qualidade revestidas de plástico, pérolas falsas ou de imitação, pérolas de imitação sintéticas, hematitas como simuladores de pérolas negras, pérolas de bolha e pérolas de água doce como imitadoras de pérolas de água salgada.

Por exemplo: a pérola Maiorca é uma imitação conhecida de pérola que tem marca própria, já deixando claro para o consumidor que se trata de uma pérola sintética fabricada pelo homem.

Colar de Pérolas Majorica
Crédito: https://www.abc-mallorca.com/history-of-mallorcan-pearls/

Para diferenciar as imitações de pérolas e separá-las das pérolas genuínas, os gemólogos usam uma variedade de testes. A inspeção visual pode revelar uniformidade de cor, forma e brilho, enquanto a observação microscópica permite um exame detalhado da superfície. A radiografia de raios X pode expor a estrutura interna das pérolas, revelando se são genuínas ou sintéticas. O exame de luz UV detecta padrões de fluorescência característicos de pérolas naturais ou cultivadas.

Técnicas avançadas como espectroscopia ESR, espectroscopia Raman e análise de oligoelementos usando EDXRF e LA-ICP-MS também são empregadas para casos mais sofisticados, especialmente para pérolas com nácar espesso. Esses métodos podem fornecer identificação positiva da origem natural da cor e detectar a presença de agentes branqueadores ópticos ou outros tratamentos de cor.

 

  1. Importância da Divulgação e Informação ao Consumidor

É crucial que os vendedores informem quaisquer tratamentos ou melhorias aos clientes, pois isso afeta o valor e a autenticidade das pérolas. Os consumidores devem estar cientes dos tratamentos aplicados às pérolas que compram e ser informados sobre a verdadeira identidade das imitações de pérolas e a nomenclatura inadequada utilizada para elas nas descrições dos produtos.

Em resumo, embora os tratamentos com pérolas possam realçar a beleza destas gemas, é essencial que os consumidores sejam capazes de identificar as pérolas genuínas e estejam cientes dos tratamentos a que foram submetidas. As imitações de pérolas, embora às vezes difíceis de distinguir, podem ser identificados através de vários testes gemológicos, garantindo que os compradores estejam informados e possam fazer compras informadas.

 

  1. Curiosidades

Pérolas historicamente famosas incluem La Peregrina e The Hope Pearl, conhecidas por seu tamanho e significado histórico. A Big Pink Pearl detinha o recorde de maior pérola de abalone. As pérolas naturais estão agora entre as gemas mais raras, com o seu fornecimento quase esgotado, o que as torna raramente encontradas e altamente valiosas. As pérolas cultivadas, por outro lado, tornaram-se mais acessíveis e permitiram designs de joias mais criativos devido à sua abundância.

The Hope Pearl
Crédito: Smithsonian NMNH Photo Services.

 

The Big Pink Pearl
Crédito: Pacific Coast Pearls

A pérola mais antiga conhecida do mundo, a ‘Pérola de Abu Dhabi’, remonta a 8.000 anos, ao período Neolítico.

Pérola de Abu Dhabi
Crédito: https://wam.ae/article/hszr9c6b-p%C3%A9rola-mais-antiga-mundo-foi-descoberta-nos

Concluindo, embora as pérolas naturais sejam um tesouro raro e antigo, as pérolas cultivadas oferecem uma alternativa sustentável e versátil que domina o mercado atual. Os avanços no cultivo de pérolas tornaram as pérolas cultivadas comparáveis em qualidade às pérolas naturais, tornando-as uma escolha popular tanto para entusiastas de joias quanto para designers.

 

Iniciar conversa
Fale conosco pelo Whatsapp
Escanear o código
Olá
Como podemos ajudá-lo? 💎🧐🔬